A importância da cultura de segurança na prevenção dos acidentes de trabalho

Icon of [Download] A Importância Da Cultura De Segurança Na Prevenção Dos Acidentes De Trabalho [Download] A Importância Da Cultura De Segurança Na Prevenção Dos Acidentes De Trabalho

O termo cultura de segurança, surgiu pela primeira vez como resultado da análise do acidente nuclear de Chernobyl, em 1986, cuja causa foi atribuída à escassa cultura de segurança da organização.

Na maioria das abordagens, a cultura de segurança deriva do conceito de cultura organizacional à segurança, sendo mencionado, por vezes, que a cultura organizacional influencia a cultura de segurança (Silva, 2008).

Para muitos autores, a cultura de segurança é o produto dos valores, crenças, normas, atitudes, práticas sociais e técnicas, partilhados pela organização com o objetivo de minimizar a exposição de trabalhadores a condições consideradas perigosas ou potencialmente causadoras de lesões.

Cooper (2000), definiu cultura de segurança como o resultado das interações dinâmicas entre três elementos: clima de segurança, comportamento de segurança e sistema de gestão de segurança do trabalho. A cultura de segurança está relacionada com as atitudes, perceção e competências do indivíduo (aspetos psicológicos), o comportamento são aspetos relacionados com o trabalho e o sistema de gestão de segurança do trabalho são aspetos relacionados com a organização (elementos observáveis) (Fig. 1).

safemed_comportamento_Seguranla_individuo

Figura 1 – Modelo recíproco de cultura de segurança
Fonte: Adapt. Cooper, 2000

Seja qual for a sua definição específica, todas vão de encontro de que a cultura de segurança é determinada pelas interações entre os fatores sociais e físicos do ambiente de trabalho, bem como pelas perceções e atitudes individuais, e contribui, de forma determinante, para a melhoria da segurança nas organizações e prevenção de acidentes.

A cultura de segurança constitui um eixo fundamental na promoção da saúde dos trabalhadores, na prevenção dos riscos profissionais e, consequentemente no combate à sinistralidade laboral.

Alguns estudos têm demonstrado, que a tipificação dos acidentes de trabalho segundo as causas (humanas, materiais e ambientais), a principal causa é o fator humano. Existe um forte consenso de que a cultura de segurança desempenha um papel importante na sinistralidade laboral (Silva, 2008). Por vezes, o desconhecimento da perigosidade das situações de trabalho leva a comportamentos de negligência, ignorando procedimentos de segurança, contribuindo, assim, para as elevadas taxas de sinistralidade.

Baseado nesta premissa, podemos afirmar que a cultura de segurança influência positivamente a adoção de comportamentos seguros, de forma a prevenir os acidentes de trabalho.

.

Bibliografia:

  • Cooper, M. D. (2000). Towards a model of safety culture. Safety Science, 36, 111-136.
  • Silva, S. C. A. (2008). Culturas de Segurança e Prevenção de Acidentes numa Abordagem Psicossocial: valores organizacionais declarados e em uso. Fundação Calouste Gulbenkian – Fundação para a Ciência e Tecnologia.

.

Dina Chagas

Doutorada em Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho – Ramo Científico de Medicina Preventiva e Saúde Pública, pela Universidade de León, Espanha. Pós-Graduada em Segurança e Higiene do Trabalho pela Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias e detentora do Título Profissional para exercer a profissão de Técnico Superior de Segurança no Trabalho.
É professora convidada no Instituto Superior de Educação e Ciências (ISEC) e (co)autora de vários artigos científicos publicados em revistas e em capítulos de livros nacionais e internacionais nos diversos domínios da saúde e segurança ocupacional.
Dina Chagas

Dina Chagas

Doutorada em Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho – Ramo Científico de Medicina Preventiva e Saúde Pública, pela Universidade de León, Espanha. Pós-Graduada em Segurança e Higiene do Trabalho pela Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias e detentora do Título Profissional para exercer a profissão de Técnico Superior de Segurança no Trabalho. É professora convidada no Instituto Superior de Educação e Ciências (ISEC) e (co)autora de vários artigos científicos publicados em revistas e em capítulos de livros nacionais e internacionais nos diversos domínios da saúde e segurança ocupacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscribe!