ACT_logotipo_cores

ACT determina paragem dos trabalhos na barragem da Foz do Tua

Autoridade para as Condições do Trabalho determina, por exemplo, “três suspensões de trabalhos por situações de perigo grave e iminente para a vida de trabalhadores” na sequência de uma inspeção realizada na quarta-feira. Desde o início da obra, em fevereiro de 2011, já morreram cinco trabalhadores.

A Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) detetou problemas de segurança que determinaram a paragem de trabalhos na barragem de Foz Tua, em Trás-os-Montes, por representarem “perigo grave” para os trabalhadores, mas EDP diz que problemas estão resolvidos.

Num comunicado enviado à Lusa em que dá conta dos resultados de uma inspeção realizada na quarta-feira, a ACT informa que “as equipas inspetivas depararam-se com problemas graves no que respeita a excesso de tempos de trabalho e problemas de segurança”.

Os inspetores determinaram “três suspensões de trabalhos por situações de perigo grave e iminente para a vida de trabalhadores” e apresentaram ainda “45 notificações para tomadas de medidas e sei autos de notícia de segurança e saúde no trabalho”.

Cinco mortos desde o início das obras da barragem

A ACT recorda que desde o início desta obra, em fevereiro de 2011, já morreram cinco trabalhadores.

O último acidente mortal ocorreu a 12 de maio em consequência do choque entre um balde com 27 toneladas de betão e um contentor de apoio administrativo que provocou a queda em altura, cerca de 28 metros, de um trabalhador do estaleiro.

“A complexidade da obra, nomeadamente pelo número de trabalhadores e pelas entidades envolvidas, mais de duas centenas, exigiu desde o início um acompanhamento especial da mesma por parte da ACT de Vila Real e de Bragança que já realizaram mais de uma dezena de visitas aos referidos estaleiros para inquéritos de acidente, reuniões de acompanhamento com as entidades envolvidas e visitas inspetivas de surpresa”, indicou aquela entidade.

Algumas das visitas efetuadas, como é o caso da realizada na quarta-feira, tiveram inclusive a participação do inspetor-geral, Pedro Pimenta Braz, e de um dos subinspetores gerais da ACT.

Das visitas que a ACT têm efetuado à obra resultaram diversos procedimentos, desde “autos de notícia, suspensões de trabalhos, notificações para apresentação de documentos e para tomadas de medidas”.

A barragem de Foz Tua está no chamado pico de obra com mais de mil trabalhadores e dezenas de empresas.

A concessionária, a EDP aponta “o enchimento da albufeira e entrada em serviço para 2016”.

A obra fica marcada pela polémica em torno dos acidentes de trabalho com cinco mortos e oito feridos e pela contestação de partidos e movimentos a pedirem a suspensão.

Em julho de 2014, o Ministério do Ambiente ordenou uma inspeção às obras na sequência de queixas, nomeadamente da Plataforma Salvar o Tua, e concluiu que “na generalidade, o promotor está a cumprir com as obrigações que lhe são impostas”, recorda a Lusa.

EDP diz que suspensões foram pontuais e estão resolvidas

A EDP comunicou que as suspensões de trabalhos determinadas pela Autoridade para as Condições no Trabalho (ACT) na barragem de Foz Tua “foram pontuais” e “já estão resolvidas”.

A Elétrica indica que “as situações de suspensão de frentes de trabalho definidas pelo ACT foram pontuais, relativas predominantemente a pequenos acessos e organização de frentes de trabalho” e “já foram resolvidas tendo sido levantadas as suspensões em menos de 24 horas”.

“As inspeções regulares da ACT , quer a esta obra quer às outras que estão em curso, são bem recebidas pela EDP no sentido construtivo do acompanhamento e monitorização da melhoria contínua das condições de trabalho de uma obra muito complexa, cujas circunstâncias físicas da construção e técnicas variam todos os dias”, refere a empresa no comunicado à Lusa.

Quanto aos regimes de trabalho, a EDP transmite que “é uma situação da responsabilidade direta da entidade empregadora” e que, enquanto dona da obra, “tem incentivado o empreiteiro na procura das soluções mais adequadas”.

O empreendimento faz parte do Plano Nacional de Barragens com um investimento previsto de 305 milhões de euros para a execução da obra adjudicada ao agrupamento de empresas Mota-Engil/Somague/MSF.

A barragem situa-se no troço inferior do rio Tua, na confluência dos concelhos de Carrazeda de Ansiães e Alijó, próximo do rio Douro, abrangendo os concelhos de Alijó e Murça, no Distrito de Vila Real, e Mirandela, Carrazeda de Ansiães e Vila Flor, no Distrito de Bragança.

Fonte (TVI24): bit.ly/1FJM6mS

Avalie o artigo
Márcia Cardoso

Márcia Cardoso

Marketeer at Ábaco Consultores
Márcia Cardoso, licenciada em Marketing. Actualmente desenvolve funções na Ábaco Consultores.
 Visualizar perfil de Márcia Cardoso
Márcia Cardoso

Márcia Cardoso

Márcia Cardoso, licenciada em Marketing. Actualmente desenvolve funções na Ábaco Consultores.  Visualizar perfil de Márcia Cardoso

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscribe!

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>