solar-panel-918492_1280 - Cópia

COP 21 Sustainable Innovation Forum – Em direção à mudança de paradigma sócio-económico

Icon of [sergio Duarte] COP 21 Sustainable Innovation Forum [sergio Duarte] COP 21 Sustainable Innovation Forum

No rescaldo do 6º Fórum Anual de Inovação Sustentável que decorreu aos 7 e 8 de dezembro de 2015 em Paris voltaram-se a alinhar agulhas em direção à nossa permanência no planeta. “Habemus” vontade?

.

Mitigação

A sustentação do impulso das nossas nefastas ações em relação à deterioração do estado do ambiente terá de ser feita por ações de mitigação – propósito de redução das emissões de gases de efeito de estufa – através da implementação de i.e., instrumentos legais como o PNAC (Plano Nacional para as Alterações Climáticas 2013-2020, Fundo Português de Carbono ou o Roteiro Nacional de Baixo Carbono) para o caso Português. No caso internacional o primeiro passo será o de exortar os países não aderentes ao Tratado de Quioto a que o façam.

.

Adaptação

Ocorre por ajustamentos para reduzir a vulnerabilidade e aumentar a nossa resiliência à ocorrência de fenómenos climáticos. A adaptação envolve mudanças nos processos ambientais e sociais e é envolta em duas grandes matrizes: os constrangimentos à adaptação e as oportunidades que surgem.COP21_1

De todos os constrangimentos (tecnológicos, financeiros, …) destaco as barreiras sociocognitivas. É notório de que os impactes sociais associados às alterações climáticas serão maioritariamente determinados pelo modo como as alterações afetem a economia. Um aumento na frequência de ocorrência de eventos climáticos extremos (i.e., furacões) fica certamente associado a elevados custos em termos de perdas económicas, capital humano e perturbações na vida dos que sobrevivem. O caso do encerramento de 2100 fábricas em Pequim devido a elevados níveis de poluição atmosférica, no início de Dezembro, é um de muitos exemplos das catastróficas consequências socioeconómicas que em breve os visados começarão a sentir.

No entanto existe um problema, que aos poucos vai sendo limado e aperfeiçoado à medida que este tipo de fenómenos naturais de índole negativa ocorrem, e esse é o mindware. As perceções da nossa vulnerabilidade e capacidade de adaptação são importantes. De acordo com Satterfield et al., 2004, aqueles que se percecionam como estando vulneráveis a riscos ambientais são os mesmos que estão cientes dos riscos de todos os tipos de perigos ambientais.

As oportunidades de sobrevivência (porque é disso que se trata, sobrevivência) socioeconómica surgem para aqueles que – munidos de conhecimento, complementado com motivação e capacidades para a adaptação – estão atentos ao que os rodeia.

.

HSE e adaptação às alterações climáticas

Nesse sentido e visando a nossa adaptação, importa focar o espaço onde – aqueles que podem considerar-se afortunados por terem um – se passa a maior do tempo: o local de trabalho. Alterações climáticas podem potenciar perigos ocupacionais já existentes e também criar novos. Os impactes para os trabalhadores, que derivem das alterações climáticas, incluem efeitos como: aumento da temperatura ambiente, poluição atmosfériCOP21_2ca ou eventos meteorológicos extremos.

Trabalhadores em cenário outdoor expostos à temperatura ambiente (i.e., construção, agricultura, …) com difícil acesso a sombras ou água têm um risco maior de sofrer de stress cardíaco potenciado pelo stress térmico. A juntar a isto, os índices de produtividade também tendem a baixar em condições de temperaturas elevadas, pelo facto de o tempo de pausa ter de ser ajustado às condições atmosféricas.

O saber controlar e gerir os riscos ocupacionais associados a estes perigos, faz do profissional em HSE, alguém altamente valioso para aquilo que é a Saúde Pública, uma vez que se foca na monitorização da exposição às condições ambientais, desenvolvendo em simultâneo, estratégias de gestão de risco que potenciem uma fácil adaptação às alterações climáticas.

.

A mudança para Green Jobs

De acordo com os US Bureau Labor Statistics, Green Jobs são aqueles envolvidos na produção de produtos e serviços que aumentem o uso de fontes de energias renováveis.

Ao longo das últimas décadas vários estudos investigaram o elo de ligação entre o ambiente, o uso eficiente de recursos e a criação de emprego, i.e., “Study on competitiveneness of the EU eco-industry”, sendo uma das principais razões para o investimento em tecnologias “ environmentally friendly” a criação de uma vantagem comparativa. O uso eficiente de recursos mantem os custos em baixo e permite à empresa manter a sua competitividade no mercado.

De uma perspetiva global o uso eficiente de recursos tem vindo a ganhar uma importância estratégica. A escassez e a dependência de recursos constituem-se como uma ameaça à capacidade competitiva de empresas e países, justificado pelo facto de existir uma correlação positiva entre o uso eficiente de recursos e a capacidade competitiva.

Face a esta realidade, urge a implementação de redes inteligentes de tecnologia permitindo aos “users” a redução dos consumos em resposta às necessidades e preços de mercado. O denominado “negawatt” está em muitos pontos perto de se tornar um recurso valioso, apresentando-se como uma solução focada no uso eficiente de recursos, isto porque, não existe kWh de energia mais limpo, mais sustentável e economicamente benéfico, do que aquele que é evitado ser gerado!

Na iNLS – Boost Your HSE Career a atenção permanente a estes cenários de sustentabilidade é uma realidade que se reflete na nossa oferta de serviços focados na valorização profissional, nos âmbitos da gestão com sustentabilidade ambiental. O IEMA – Certified Associate Certificate in Environmental Management é um produto que habilita o individuo a tornar-se ferramenta valiosa para empresas de “green thinking”. A ser divulgado brevemente em português, pela iNLS – Boost Your HSE Career, o IEMA – Certified Associate Certificate in Environmental Management será pioneiro em Portugal na potenciação de profissionais que tenham por base a língua de Camões! Plante hoje, para colher mais tarde!

.

Bibliografia:

Avalie o artigo
Sérgio Roldão Duarte

Sérgio Roldão Duarte

Training Coordinator da iNLS Solutions, Lda - Boost Your HSE Career; BSc in Environmental Health at INLS Solutions
Sou Licenciado em Saúde Ambiental pela Coimbra Health School, tendo tido incursões pela University of Applied Health Sciences de Zagreb – Croácia e pela Telemark University College – Noruega. Na iNLS desenvolvo atividades de logística e aconselhamento relacionadas com Saúde e Segurança no Trabalho, Segurança Alimentar e Ambiente.
Sérgio Roldão Duarte

Sérgio Roldão Duarte

Sou Licenciado em Saúde Ambiental pela Coimbra Health School, tendo tido incursões pela University of Applied Health Sciences de Zagreb – Croácia e pela Telemark University College – Noruega. Na iNLS desenvolvo atividades de logística e aconselhamento relacionadas com Saúde e Segurança no Trabalho, Segurança Alimentar e Ambiente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscribe!

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>