[Notícia] ACT investiga empresa do Fundão por denúncias de emigrantes em França

A Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) está a acompanhar uma empresa do Fundão que tem sido alvo de denúncias por não pagamento a trabalhadores contratados para obras em França, confirmou à Lusa aquela entidade.

Em resposta a questões da Lusa na sequência de denúncias de um dos trabalhadores, atualmente a residir no Entroncamento, que alega uma dívida de perto de 5.000 euros, a ACT afirmou que “foi efetuada uma intervenção inspetiva à empresa Joaquim Manuel Fortunato, Unipessoal Lda., tendo sido adotados os procedimentos inspetivos necessários e encontrando-se a empresa a ser acompanhada por esta entidade.

José Tomás disse à Lusa que trabalhou para a empresa entre abril e meados de julho de 2014, estando em dívida um mês e seis dias de trabalho, mais as horas extraordinárias e o subsídio de férias correspondente ao tempo trabalhado, estando a preparar uma queixa que vai entregar no Tribunal do Trabalho de Tomar na próxima sexta-feira.

A queixa deste trabalhador segue-se a outra denúncia tornada pública em junho de 2014 e José Tomás afirmou que a situação afeta outros emigrantes, tendo conhecimento de que alguns que vieram a Portugal no período da Páscoa “não vão regressar porque também não recebem”.

Contactada pela Lusa, fonte da empresa negou qualquer dívida, alegando que o trabalhador “abandonou o posto de trabalho sem aviso”, o que “prejudicou a firma”, e que “recebeu o que tinha a receber”, porque “pedia vales e adiantamentos”. Confrontada com o caso denunciado no verão de 2014, a fonte assegurou que a queixa então apresentada foi “arquivada” porque estava “tudo pago”.

José Tomás referiu as discrepâncias nas declarações emitidas pela empresa, que lhe enviou a declaração para IRS referindo que recebeu 3.400 euros, enquanto nas Finanças constam 1.300 euros e na Segurança Social estão descontos efetuados até outubro.

Segundo José Tomás, a empresa encontra-se a fazer a remodelação dos hotéis da cadeia Campanile, em França, não havendo “justificação para que não pague aos empregados”.

As condições prometidas — 1.500 euros líquidos mensais, alojamento, água e luz — fizeram com que deixasse o ‘part-time’ que tinha como porteiro, mas a primeira promessa de adiantamento de algum dinheiro à chegada a Rennes para a alimentação não aconteceu, tendo o grupo comido durante duas semanas em casa de outros trabalhadores, relatou.

O proprietário da empresa foi fazendo algumas entregas de dinheiro, mas os atrasos no pagamento mensal foram-se sucedendo, sem que nunca fossem pagas as horas extraordinárias e o trabalho aos sábados, acrescentou.

Na terceira obra, na Normandia, José Tomás acabou por aceitar a proposta de uma empresa francesa de outro português, mas novamente se sentiu enganado, pois as condições de alojamento e de trabalho (todos os dias da semana das 08:00 às 20:00) eram piores e, ao fim de um mês, não recebeu (nas suas contas, 4.410 euros).

Em relação a este caso, disse, está a decorrer um processo em França após intervenção da inspeção do trabalho local.

José Tomás trabalhou depois três meses para uma empresa francesa e entre janeiro e meados de fevereiro deste ano para um construtor português em Paris, mas, como era dos mais recentes, foi dispensado por falta de trabalho.

Segundo afirmou, no regresso a Portugal reforçou os contactos com a empresa do Fundão, tendo-lhe sido ainda pagos 300 euros, mas, após contacto escrito por intervenção de um advogado, disse ter sido informado de que nada mais lhe será pago e que, se assim entender, deve avançar para tribunal.

José Tomás disse à Lusa que aguarda resposta da Segurança Social ao pedido de subsídio de desemprego, estando entretanto a realizar “pequenos biscates” para sobreviver, contando com a ajuda de diversas pessoas.

Fonte (DNotícias): http://bit.ly/1CDP4c9

Avalie o artigo
Márcia Cardoso

Márcia Cardoso

Marketeer at Ábaco Consultores
Márcia Cardoso, licenciada em Marketing. Actualmente desenvolve funções na Ábaco Consultores.
 Visualizar perfil de Márcia Cardoso
Márcia Cardoso

Márcia Cardoso

Márcia Cardoso, licenciada em Marketing. Actualmente desenvolve funções na Ábaco Consultores.  Visualizar perfil de Márcia Cardoso

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscribe!

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>