programa_alimentar_urbano_SA_segurança_alimentar_mundial_blog_safemed

Autarquias querem aderir a programa de política alimentar urbana

Cerca de trinta autarquias manifestaram já interesse em aderir ao Pacto de Milão, uma iniciativa que pretende desenvolver sistemas alimentares mais sustentáveis e ligados à agricultura urbana, que será apresentada hoje numa conferência organizada pela Oikos.

Segundo um comunicado da Oikos – Cooperação e Desenvolvimento, o “Pacto de Milão sobre Política de Alimentação Urbana” pretende desenvolver sistemas alimentares mais integrados, justos e sustentáveis, através da agricultura urbana e da ligação entre a produção rural e a urbana e o consumo rural e urbano, sendo já 30 as autarquias que responderam positivamente a este apelo de subscrição.

“O compromisso e envolvimento das cidades são essenciais para atingir o objetivo de alimentar o mundo; cerca de 15% dos alimentos disponíveis no mundo são produzidos em áreas urbanas e estima-se que a proporção global de pessoas a viver em cidades atingirá os 65% em 2025”, assinalou o presidente da Oikos, João José Fernandes, no mesmo comunicado.

A conferência organizada pela Oikos, em parceria com a Direção-Geral de Saúde e o Instituto Superior de Agronomia da Universidade de Lisboa, visa discutir a adoção de políticas públicas de segurança alimentar e nutricional em Portugal, bem como recomendações que resultam de estudos relacionados com a pobreza e insegurança alimentar, motivações e obstáculos ao consumo sustentável de alimentos.

A Oikos recomenda nomeadamente que seja definido um rendimento adequado para uma alimentação saudável das famílias que pode passar pela criação de um cartão pré-pago parcialmente condicionado à satisfação de necessidades alimentares e higiene, privilegiando a compra na agricultura e comércio de proximidade.

“Em casos de necessidade de maior acompanhamento dos beneficiários, este meio de pagamento daria acesso às cantinas sociais e IPSS, que passariam a ter um papel subsidiário e mais orientado para pessoas e famílias com maiores exigências de acompanhamento”, acrescenta a organização não-governamental (ONG).

Outras das sugestões passam pela adoção de uma norma de Segurança Alimentar e Saúde Nutricional, a aplicar à restauração coletiva pública (como cantinas sociais, cantinas escolares e hospitais) baseada na dieta mediterrânica e criação de um sistema de traceabilidade da origem dos bens alimentares comercializados na grande distribuição, de modo a conferir confiança e segurança aos consumidores acerca dos padrões de produção em matéria social e ambiental.

A Oikos recomenda ainda a criação de uma lei orgânica de segurança alimentar e nutricional, a adoção de uma Estratégia Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (ESAN), com objetivos, metas e cabimentação orçamental, criação de um Grupo Interministerial de Segurança Alimentar e Nutricional (GISAN), criação de Conselhos Municipais e/ou Intermunicipais de Segurança Alimentar e Nutricional (CONSEA) e revisão das normas de Contratação Pública, de modo a potenciar o papel das compras públicas de bens e serviços de alimentação, no apoio à agricultura familiar, comércio de proximidade, e na promoção da dieta mediterrânica.

A conferência contou com a participação, entre outros, do ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, Luís Capoulas Santos, e do responsável da FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura) em Portugal, Hélder Muteia.

Fonte (acorianooriental): bit.ly/1ZNrO6W

Faça like no Facebook: www.facebook.com/blogsafemed

Avalie o artigo
Márcia Cardoso

Márcia Cardoso

Marketeer at Ábaco Consultores
Márcia Cardoso, licenciada em Marketing. Actualmente desenvolve funções na Ábaco Consultores.
 Visualizar perfil de Márcia Cardoso
Márcia Cardoso

Márcia Cardoso

Márcia Cardoso, licenciada em Marketing. Actualmente desenvolve funções na Ábaco Consultores.  Visualizar perfil de Márcia Cardoso

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscribe!

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>