fried-3065319_640

Monitorização de alergénios no mercado nacional no âmbito do Plano Nacional de Colheita de Amostras (PNCA)

A prevalência de alergias alimentares nos países desenvolvidos é incerta [1]. A escassez de estudos disponíveis para algumas áreas geográficas e a utilização de diferentes metodologias entre os estudos para a obtenção de dados de prevalência são as principais razões para esta incerteza. Utilizando os desafios alimentares como critério para o diagnóstico, a prevalência de […]

Leia Mais

USMC-07664

Intoxicação: Ingestão de produto químico

A ingestão, inalação ou absorção de produtos químicos nocivos à saúde tais como detergentes, ácidos, desinfetantes, podem provocar intoxicações, queimaduras, asfixia entre outros, levando muitas vezes à morte. Estes acidentes, muitas vezes acontecem por ingestão acidental de produtos químicos colocados em embalagens impróprias, incorretamente rotuladas e armazenadas, tanto em locais de trabalho como em ambiente doméstico. Este tipo de acidente é transversal a muitos setores de atividade, nomeadamente, no setor da hotelaria e restauração.

Leia Mais

EColi_segurança_alimentar_surto_perigos_alimentares_alimentação__saude_publica_sst_blog_safemed

Aditivos e contaminantes da cadeia alimentar: enquadramento legal, progressos relevantes e riscos emergentes

O Painel Temático de Aditivos e Contaminantes da Cadeia Alimentar do Conselho Científico da ASAE tem trabalhado na avaliação de riscos na cadeia alimentar, pronunciando-se sobre a segurança destes compostos. Os aditivos alimentares são substâncias adicionadas intencionalmente aos alimentos para melhorar as suas propriedades e aumentar a sua segurança e validade, não podendo constituir um risco
para o consumidor

Leia Mais

adult-2449725_1920

A gestão emocional na PREVENÇÃO de Acidentes de Trabalho

Atualmente os trabalhadores refletem no seu dia-a-dia os vários condicionalismos de um estilo de vida concentrado na rapidez de acesso, quer aos meios de informação (redes sociais), quer aos meios de comunicação (smartphone, iPhone, etc.), quer à gratificação fácil, satisfação imediata e à despersonalização insensível das sociedades de consumo, onde impera o artificialismo e o virtualismo exacerbado.

Leia Mais